segunda-feira, setembro 11, 2006

The bright side of Fundamentalism

"O brasileiro Paulo Coelho, o escritor mais vendido no Irão, acaba de ter sete livros seus proibidos no país."

(in Correio da Manhã)

Pronto, e eu a pensar que o Irão se mantinha no Eixo do Mal e saem-se com esta... E cá, não podemos fazer o mesmo? :)

5 comentários:

Micas disse...

Subscrevo as tuas palavras na integra, por aí e por cá também, qd procuro cá livros de autores de lingua portuguesa só me aparece esse senhor, mais, é um dos autores estrangeiros que mais vende por aqui!!!

antimater disse...

Os iranianos estão a ficar muito cultos!

A disse...

És mesmo ruim ó Guronsan....

E eu a pensar que era má comás cobras, afinal...

:)

cuotidiano disse...

Concordo que os livros desse senhor sejam horrorosos e achei o teu "post" delicioso. Ponto. No entanto (isto só para dar também o reverso da medalha), acho que há pessoas que, havendo ou não "Coelhos", nunca leriam um livro decente, pelo que, se calhar, mais vale lerem "isso" que nada - eventualmente subiam (desciam?) para o patamar "Rebelo Light Pinto" e, provavelmente, era pior a emenda que o soneto.

"Amalcomparado", se se proibisse a "TV-Guia", será que as pessoas que a liam passariam a ler a "Visão", a "Science et Vie" ou coisa assim? Duvido.

A propósito, será que o tão falado "Plano Nacional de Leitura" irá, a longo prazo, mudar alguma coisa nas mentalidades e necessidades culturais? Esperemos que sim.

Um abraço

PS - Proponho ao Irão que o título dessa missão de extermínio seja "Os Coelhos também se abatem"

Nuno Só disse...

Eh pá... que boas notícias.. :)
Pode ser que a Margarida Rebelo Pinto lhe siga as pegadas...