segunda-feira, janeiro 23, 2006

Ondas Sonoras - VIII

E se eles já eram o que de melhor se fazia no rock alternativo português, ao quinto album os Blind Zero brilham intensamente com um som individual e único. Iniciando a sua carreira discográfica em 1995, com o album Trigger, era fácil para quem os ouvisse, especialmente a voz de Miguel Guedes, que a sua principal influência era a banda Pearl Jam e logo aí começaram as comparações, normalmente de forma negativa para os Blind Zero. Felizmente eles não se desmotivaram e decidiram partir para outros caminhos, como os albuns subsequentes mostrariam. Do rock mais espontâneo e imediato (Redcoast), passando por momentos mais abrasivos e psicadélicos (One Silent Accident), até entrarem no mundo dos escritores de canções com C grande (A Way To Bleed Your Lover), os Blind Zero chegam a The Night Before And A New Day com um som que acaba por ser um enorme melting pot, o que não é muito dificil de explicar devido às enormes influências da música norte-americana que trespassa a música dos Blind Zero. Basta ouvir os primeiros acordes de Palace of Amusements (a última música deste disco) para nos imaginarmos algures no deserto de Death Valley, rodeados de cactos e companhias muito pouco aconselháveis. A escuridão e a luz são ambientes recorrentes em músicas como Gasoline Boy, Shine On, Perfect Skin ou Super 8, só para mencionar algumas. Mereciam vender milhões de discos, era o que era...

2 comentários:

o anónimo do costume disse...

Opá, só uma nota para perguntar: eu sei que já se acabaram as eleições e não se entrevêem outras nos tempos mais próximos, ok. Mas não haveria melhor tema para a nova sondagem??? Nem que fosse o número de bandeiras que o novo presidente vai ter atrás de si na tomada de posse, ou assim...

Nuno Guronsan disse...

Amigo, fico à espera de sugestões para próximas sondagens, mas por amor de Deus, dá um descanso aos meus neurónios políticos e pará de fazer referências ao sr. professor, pode ser?