terça-feira, janeiro 31, 2006

Já dizia Descartes...

Acabei agora mesmo de ler os blogues que diariamente vou tentando acompanhar, quando me lembrei de uma conversa que tive a semana passada com um amigo meu, também ele blogueiro. Que ele já não escreve nada há uns meses, que não tem tempo, que não tem inspiração para escrever o que quer que seja, que tem mais em que pensar, que a vida não é só net e há outros problemas para resolver, que tem dedicado mais tempo à família, enfim, um nunca mais acabar de argumentos. E foi aí que me ocorreu: porque é que eu devoto tempo a este espaço?

Eu, que nunca tive paciência para manter um diário privado quanto mais este que é completamente público. Eu, que às vezes chego tão estoirado a casa que só me apetece dormir até ao dia seguinte. Eu, que vejo acumularem-se livros para ler, revistas para me manter actualizado, albúns que não oiço, filmes e DVDs vários que não consigo ver por manifesta falta de tempo. Com tudo isto, porquê manter um blogue e, mais ainda, ir fazendo entradas com alguma regularidade? And then, it hit me! Porque gosto. Porque quando estou a escrever estou a quebrar deliberadamente a rotina do meu dia-a-dia. Porque quando estou aqui, neste espaço cinzento, consigo olhar para o mundo e emocionar-me com aquilo que tantas vezes deixo de observar lá fora. Porque este espaço dá-me uma hipótese de ser criativo e de abanar a minha (preguiçosa) massa cinzenta. Porque sim e nada mais!

2 comentários:

o (bloguistas) anónimo do costume disse...

É amigo, esta coisa dos blogs... diário nos antípodas dos diários, porque não escondido no fundo de uma gaveta, mas aberto ao mundo, pela net; expressão das opiniões, experiências e sentimentos; etc., etc.. Se até há bem pouco nem sequer existiam, porque terão irrompido e se terão multiplicado da forma que nos é dado ver? Talvez pela mais simples das razões, que tu enuncias após todas as outras, "porque sim e nada mais!"

Desambientado disse...

Nuno.

Que bem pensado, e melhor dito. É isso mesmo.

Um abraço.