segunda-feira, agosto 14, 2006

Seis Informações, Seis Contradições

Enfim, este é provavelmente o maior risco de se escrever blogues e, por esse meio, encontrar afinidades com pessoas que nunca vimos e que apenas conhecemos do que elas próprias escrevem, onde se poderão revelar muito, pouco ou nada. E depois fica a curiosidade de conhecer mais e mais aqueles que, "virtualmente", visitamos dia a dia, sempre com esperança de descobrirmos mais sobre a pessoa do outro lado do espelho, perdão, ecrãn. Daí o repto da A., que me recordou que há seis meses atrás também houve algo do mesmo estilo aqui no Espaço. Assim, aqui ficam, seis informações sobre mim, com seis contradições lá pelo meio.

PORTUGAL. A alma, a personalidade, o não temer o desconhecido, o aventureiro. A praia, a cidade, o campo, o sol, os céus azuis, a névoa no caminho para o trabalho. As pessoas, as comidas, as bebidas, os amigos, a família. O mar, as ondas, o cheiro a maresia. Contradições? Os ataques que fazemos a todas as nossas paisagens. O egoísmo e a sobranceria que toldam o nosso verdadeiro "ser" português. As lutas de poder nos bastiadores que apenas diminuem ainda mais o nosso pequeno país.

AMIZADE. As cumplicidades, os risos, a partilha, o ombro amigo, o abraço que nos sabe a pouco, o beijo que alivia as nossas amarguras, os múltiplos e-mails que mandamos para lados distantes do globo, as horas passadas diante de uma janela do messenger, os telefonemas a horas impróprias, a pausa para o café e eventual cigarro, as jantaradas, os churrascos, as festas de aniversário, enfim tudo, tudo e mais tudo. Contradições? A amizade ser tão intensa que não pensamos antes de abrir a boca e magoarmos aquele que era nosso amigo(a) até há cinco segundos atrás e agora não passa de um estranho(a) que nunca conhecemos realmente.

ESPLANADA. Os raios de sol, a cerveja fresquinha, a companhia de um livro que já lemos tantas e tantas vezes que quase o sabemos de cor, e, se for possível, que a esplanada seja junto ao mar, com o barulho das ondas a levar-nos de volta a tempos quase esquecidos mas sempre recordados com alegria. Contradições? A falta de tempo, metereológico e temporal. Os eventuais efeitos da cerveja num certo fenómeno denominado de pneu. O acumular infindável de livros em cima da secretária, todos eles ansiando por um minuto de atenção do jumento que continua a comprá-los a um ritmo acima do desejável.

MÚSICA. Imprescindível. Necessária. Vital. Constante (nem que seja em estilo música-ambiente-eterno-repetitiva que tenho que aturar no meu local de trabalho). Contradições? Tanta e tanta música que não conheço e gostava de ouvir e conhecer, mas a falta de tempo até faz com que nem sequer consiga ouvir os mp3 que se vão acumulando no pc cá de casa.

VIAJAR. Conhecer o desconhecido. Mudar do ambiente quotidiano para o ambiente alienigena. Aculturar-me com uma cultura à qual não pertenço. Os grandes espaços. Os pequenos espaços. As línguas que não entendo e nunca entenderei. As comidas que nunca comi e nunca mais o farei. O mergulho no abismo que é o exterior do nosso rectângulo. Contradições? Ver lá fora as mesmas coisas inúteis e tristes que vejo no meu país. Ou, em alternativa, o desejo de não me vir embora até que aquela rotina que me é estranha o deixe de ser.

SORRISO. Porque é a minha imagem de marca e mostra como gosto de viver a vida. Sempre a pensar na próxima coisa que me irá fazer sorrir. Sempre a pensar nos momentos infímos de felicidade que me deixaram a sorrir. Porque gosto de ver aqueles que amo a sorrirem um sorriso sem preocupações, ansiedades, ou angústias. Porque no fundo, quase que consigo acreditar que o meu riso ou sorriso me garante a saúde e as forças para lidar com o dia-a-dia. Contradições? O meu sorriso serve para esconder muitas coisas que às vezes tenho dificuldade em partilhar. Timidez, receio, inseguranças várias, raiva,solidão e, por vezes, tristeza. Mas procuro mudar, sempre mudar. A mudança empurra-me para a frente e ensina-me a não me conformar, mesmo com um sorriso nos lábios.

(Alívio)
E agora, quem se segue? Quem poderá continuar estas pequenas partilhas? Bom, aqui ficam os escolhidos(as), que, claro está, estão à vontade para responder ou não a isto.

A Míuda Dos Disparates
Blue Notes
Cuotidiano
Garden Of Delight
Navel
Resquícios do Nada

E acrescento ainda (à parte, pois não sei se estará com pachorra para isto), Suburbano.

7 comentários:

José Raposo disse...

Gosto da convocatória "à parte"... dá-me outro estatuto... vou tentar arranjar o tempo e a pachorra necessária :)

PenaBranca disse...

repto aceite. dá-me tempo, dá me calma. may the force be with you.

Navel disse...

Dá uma vista de olhos no meu umbigo (adoro estas frases ambíguas) daqui a uns dias e lá estarão. Espero...

dKin disse...

É engraçado como por blog, mail ou messenger, se conhece uma pessoa nos detalhes q pessoalmente mtas vezes ñ conhecemos, fazemos perguntas directas, damos respostas concretas, queremos saber tudo à cerca da outra pessoa, desde a cor preferida, àquilo com q mais embirra e assim se vai conhecendo uma e outra pessoa, por dentro... Coisas q num conhecimento feito pessoalmente, raramente se perguntam, vamo-nos apercebendo com as conversas, ou ñ, caso nunca tenha passado por ali o assunto.

Contradição: se só a conhecermos "daqui", passamos uma vida sem ter a certeza de q todo esse conhecimento ñ passou de um aglomerado de frases sem sentido. É mto fácil fazermos um boneco de nós próprios através de um ecrã, um boneco daquilo q gostavamos de ser.

Nuno Guronsan disse...

Isto, desta vez, está a correr bem. Muita aderência, fico à espera de vos "ler".

DKin, concordo contigo em tudo. Neste caso em particular, e em muitas das frases que escrevi, aplica-se melhor o primeiro parágrafo, se bem que também concordo que há pessoas que abusem do segundo parágrafo. Ah, e já agora informo-te que também passas a fazer da adenda. Também gostava de ler as tuas respostas ;)

A disse...

Retorno do mundo dos mortos.

Boa tarde.

Para começar, Guronsan, não era para falares das contradições, mas de ti!

:) EU é que acabei por falar em contradições porque eu SOU uma contradição, capicce?O desafio consistia em apresentares 6 caracteristicas da tua pessoa.
A contradição foi um aparte meu.

Gostaria de comentar, se me permites, as afirmações da menina senhora Dkin que fala de frases sem sentido e de aglomerados... whatever... é verdade que há por aí muita porcaria e eu própria tenho-me deparado com muita porcaria de gente que de gente nada tem; mas não há "boneco" que resista à realidade, porque um dia o pano cai e a máscara também. A coerência é uma porcaria ainda mais tramada e certos bonecos não passam disso mesmo.

Beijos

nunf disse...

Fico um bocado baralhada depois de ler a A...
A ideia é no fundo falarmos de nós, dar-mo-nos a conhecer mais um pouco, certo?!
Vou tentar, nem sempre é fácil fazer cair o confortável pano de um certo anonimato permitido pela blogosfera, mas sem dúvida que a curiosidade de conhecer um pouco melhor aqueles que visitamos assiduamente existe tal como dizes Nuno.
Mais uma vez lisongeada por fazer parte do teu "grupo de eleitos" (modéstia à parte!) responderei com agrado assim que o tempo e a inspiração permitam.
Quanto ao comentário de Dkin, concordo inteiramente, e penso que apesar de achar que a A. tem uma certa razão, nem todos conseguem ver e interpretar as incoerências.
Tudo passa pela forma como as pessoas vêem o mundo, mas isto sou só eu a divagar.