quarta-feira, agosto 09, 2006

A minha terra e os meus concidadãos

"Num dos muros que dão acesso à passagem superior à linha do comboio, junto à baixa do Cacém, uma inscrição referente a uma velha reivindicação pede rampas em vez de escadas. Esta está, no entanto, longe de ser, neste momento, a maior exigência dos moradores e dos comerciantes desta zona. Quando é questionada, a maioria pede o fim das obras do Programa Polis... e rápido!"

(in Diário de Notícias)

4 comentários:

José Raposo disse...

A ingratidão é uma coisa muito feia... a memória curta, e a falta de alcance da vista tb.
Era preferivel as casas a cair de onde saiam ratazanas do tamanho de coelhos. Os prédios que serviam para supermercado de droga, era preferivel a total convergência de todos os caminhos do cacém num único ponto, era preferivel a não existência de qualquer árvore até onde alcançava a vista, era preferivel um ribeiro a correr cheio de merda com casa construidas em cima dele. Por mim podem dar-me uma indemnização e eu vou viver para qualquer outro lado e os que agora se queixam podem perfeitamente voltar a viver num monte de esterco.
PS: Como o Nuno sabe eu moro na zona de intervenção e além do pó e da falta de estacionamento não tenho nada para me queixar.
PS-2: aqueles que reclamaram em tempos as rampas em vez de escadas podem utilizar um túnel que existe desde sempre a 200m do local onde foram colocadas as escadas. É apenas mais um esforço e realmente muito pouca gente está disposta a esse esforço a não ser na lingua comprida que têm.

Canochinha disse...

Realmente já não há pachorra para as obras da Polis no Cacém. Lembro aqui que quando o projecto foi aprovado colocaram na Avenida dos Bons Amigos um daquels placards que fazem contagem decrescente. A inscrição era "Faltam x dias, y horas e z minutos para o começo das obras". Muito bom... Para o começo das obras! Como seria de esperar, a determinada altura, decidiram desligar o contador porque devem ter chegado à conclusão que não iam cumprir os prazos. Acho que o contador já está a funcionar novamente.
Não discuto aqui as melhorias que o Programa Polis irá trazer ao Cacém porque não possuo conhecimentos suficientes para isso. O que eu sei é que as obras a mim me parecem intermináveis. Nem quero imaginar quando começarem as obras da REFER para a construção da nova estação.

Nuno Guronsan disse...

Bom, de facto, não estranhei muito alguns dos comentários das pessoas que o DN entrevistou. Já começa a ser norma ser do contra só porque se tem medo da mudança, seja ela má ou boa (como é o caso). Tenho a felicidade de não morar mesmo no centro da intervenção, como o Raposo, mas apenas porque os meus horários são um bocadinho caóticos e a falta de estacionamento já é má o suficiente na rua onde moro. Porque, de resto, acho que é uma zona de grande potencial, e tenho mesmo esperança que os novos edifícios que por lá vão surgindo signifiquem uma real lufada de ar fresco no panorama urbanístico do Cacém. Sempre morei aqui, no meio de prédios e rodeado de pessoas, trânsito à beira do apocalipse, e muitas horas cheguei a passar em congestionamentos constantes quer à volta quer no centro do Cacém. Por isso concordo inteiramente com as palavras do meu amigo Suburbano.

Já o placard... Pois... Era escusado... Devia ser ano de eleições, provavelmente... Amigo Suburbano, o que dizes acerca disso,tu que já tiveste a "felicidade" de morar quase à sombra do mesmo?

dKin disse...

Ui, essa bela localidade é, toda ela, de momento, uma grande obra! Nem sei para quando está previsto o fim, mas tendo em conta o "estado da nação", ainda deve demorar...