quinta-feira, agosto 31, 2006

Saudades...

... da casa em Taechi-dong.
... dos milhentos néons.
... dos polícias com cabeças gigantes.
... das muitas noites sem dormir.
... dos autocarros a circularem a 100 à hora.
... do frio à beira-mar.
... da lota em Daepo.
... da terra de ninguém, junto à fronteira.
... do vento avassalador em Ulsan-bawie.
... do café Segafredo a 1.000 escudos a chávena.
... das aulas angustiantes de Hangul.
... dos grafittis em Nam-san.
... dos vinis baratos em Namdaemun.
... do peixe-cantor Billy Bob Mouth Bass.
... das estátuas em Kyoungbokkung.
... dos bares com sanitas a fazer a vez de cadeiras.
... de percorrer o metro aos domingos de manhã.
... das milhentas salas de karaoke sem alcool.
... dos budas esculpidos em pedra.
... das manifestações intermináveis que faziam parar todo o trânsito.
... do render da guarda em Toksogung.
... da cor vermelha do kimchi.
... da casa em Kioudé.
... das chuvas intermináveis com 40 graus de temperatura.
... dos coletes de salvação na piscina.
... do tak-kalbi, do pulgougi e do soju.
... das multidões viciadas em compras em Myoung-dong.
... da música, das cervejas e das conversas no LPG Bar.
... de fechar a porta do LPG Bar às 8 da manhã.
... dos sons e ruídos estranhos no metro.
... dos táxis a circularem a 200 à hora em direcção ao aeroporto.
... do nascer do sol em Pulguk-sa.
... dos pagodes, dos templos e dos sinos.
... da gruta de Sokkuram.
... dos arranha-céus a perder de vista.
... dos tentáculos de polvo vivos no prato em Nouriangim.
... dos cafés com sofás ao melhor estilo Moviflor.
... das avenidas intermináveis e dos milhentos viadutos.
... do sino do Rock N' Roll Bar em Apkujong.
... do nevoeiro constante em Pukhan-san.
... dos amigos que estão do outro lado do planeta.


6 comentários:

José Raposo disse...

Amigo, já estás farto de nós? queres deixar-nos?

Navel disse...

oh pá, eu nem quero fazer o exercício de pôr por escrito aquilo de que sinto falta. Acho que apanhava o primeiro avião de volta, nem que fosse só de visita... E ainda assim, nuca mais tive coragem de voltar e ser uma turista na cidade que já foi minha...

já respondi ao desafio do 6. vai lá espreitar.)

Micas disse...

Mas então, para que servem as férias se não as aproveitarmos também para matar as saudades do que nos faz falta???
A fotografia está espectacular.
Beijinho

A disse...

Depois de ler este teu post sugeriu-me toda a saudade que tenho dos sítios por onde passei e vivi.
Em todos eles teria aspectos diferentes - não como coletes salva-vidas na piscina ou sofás tipo Moviflor em bares, mas... todos muito peculiares.

O que mais saudade deixou foi mesmo Coimbra.
O que menos deixou foi aí perto do Cacém :P

Mas as pessoas sim... os amigos deixam saudade que é bom matar depois da ausência...

E os alentejanos são o melhor povo do Mundo!!

Beijos

Nuno Guronsan disse...

Não, não estou farto de ninguém (muito pelo contrário) nem estou a pensar deixar ninguém. Apenas peguei em albuns de fotografias antigas a horas tardias e deu-me para isto. De qualquer forma estou a sentir a vontade de ir dar uma curva... Nunca mais chega Outubro...

dKin disse...

Ai... Até eu fiquei com saudades e nunca lá estive...