sábado, agosto 05, 2006

Indiferença (hoje)

substantivo feminino


1.
insensibilidade e desinteresse relativamente a alguém ou alguma coisa;

2.
falta de entusiasmo, de curiosidade, de paixão; desinteresse; apatia; inércia; frieza;

3.
estado daquele que não possui qualquer preocupação de ordem moral ou religiosa;

4.
MEDICINA estado de certos pacientes que, por doença grave, revelam inconsciência e insensibilidade em relação a tudo quanto os rodeia;

liberdade de indiferença poder de decidir independentemente de motivos, ou sem razão;

(Do lat. indifferentìa-, «indiferença; sinonímia»)


© Copyright 2003-2006, Porto Editora.


I will light the match this morning, so I won't be alone
Watch as she lies silent, for soon light will be gone
Oh I will stand arms outstretched, pretend I'm free to roam
Oh I will make my way, through, one more day in...hell

How much difference does it make
How much difference does it make...

I will hold the candle, till it burns up my arm
I'll keep takin' punches, until their will grows tired
Oh I will stare the sun down, until my eyes go blind
Hey I won't change direction, and I won't change my mind

how much difference does it make
how much difference does it make..
how much difference...

I'll swallow poison, until I grow immune
I will scream my lungs out till it fills this room

How much difference
How much difference
How much difference does it make
How much difference does it make...

(written by Vedder, McCready, Gossard, Ament and Abbruzzese)


6 comentários:

PenaBranca disse...

amigo, há alguma ligação entre os sentimentos dos últimos dois blogs? porque se junta a euforia e a indiferença tão perto uma da outra?

Nuno Guronsan disse...

Porque a vida é feita de altos e baixos, e às vezes surgem mais próximos do que julgamos. Porque raramente conseguimos estar nos altos, por muito que nos esforcemos. Porque precisamos dos baixos para nos apercebermos de como realmente os altos são bons, por mais pequeninos que nos pareçam. Porque os baixos apanham-nos, normalmente, desprevenidos, enquanto os altos são premonitoriamente altos. Porque, porque, porque... A vida não passa de uma gigantesca montanha-russa na qual nunca sabemos o que vem a seguir. Deve ser aí que reside o interesses de todos os segundos em que inspiramos e expiramos...

Que é que queres? Deu-me para aqui... Hoje, por exemplo, houve mais um alto, recheado de risos, amizade, abraços e principalmente sorrisos de cumplicidade, que é aquilo que me move para a frente, sempre para a frente...

Abracete, amigo, e espero pelo teu regresso!

Navel disse...

A pearl, as all the others ;)

Falta um mês...

Canochinha disse...

Gosto muito desta música:)
O melhor pensamento para as situações menos boas é tentar descobrir o que podemos aprender com elas. E saírmos de lá ainda mais fortes.

PenaBranca disse...

amigo, também eu aguardo o meu regresso. encomendo já mais uma dose do abraço mais forte do mundo, desta vez recheado de alegria e felicidade (e não fraqueza e derrota como foi o meu da outra vez).
abracete
p.

Micas disse...

São essas situações que nos põem à prova, nos fazem aprender e a ficar mais fortes para a próxima investida e curva do caminho!!
Beijos