quarta-feira, outubro 26, 2005

Melancolia de meio da semana

Começa a chegar o frio. À sombra da Serra de Sintra, começam a soprar os primeiros ventos verdadeiramente cortantes. Apertam-se os casacos, começa-se a pensar se não será melhor trazer as luvas e o cachecol, “e aquelas nuvens escuras também não devem trazer nada de bom”.

Acabaram os dias de calor e Sol, o céu e a terra vão ficando mais “escuros” e sombrios. Toda a natureza se vai “abotoando” da melhor forma que pode. As árvores começam a ficar despidas das suas folhas, o verde vai-se convertendo em castanho, o ciclo começa-se a fechar.

A noite chega mais depressa, a luz vai-se embora mais cedo. O Sol leva consigo o meu sorriso, fico mais sério com o frio. Fico com vontade de ficar mais tempo em casa, longe do frio, longe da chuva, longe de tudo. Mas ao mesmo tempo também sinto o meu interior aquecer-se com o frio. Afinal de contas, como é que se pode gostar tanto do Sol e do seu calor, se não conhecermos a envolvência do vento frio que sopra hoje lá fora?

2 comentários:

o anónimo do costume disse...

"Não há sol sem sombra e é preciso conhecer a noite." (Albert Camus, in "O Mito de Sísifo")

Nuno Guronsan disse...

Sábias palavras, amigo...