terça-feira, abril 29, 2008

more human than human

"I've seen things you people wouldn't believe. Attack ships on fire off the shoulder of Orion. I watched C-beams glitter in the dark near the Tannhauser gate. All those moments will be lost in time, like tears in rain. Time to die."

Ontem foi dia de recuperar as visões apocalípticas de uma Los Angeles do futuro. Uma Los Angeles sombria, escura e fria, onde a chuva nunca pára de cair. Onde o céu apenas é iluminado por explosões de fogo e ecrãns gigantescos de publicidade enebriante. Onde não há pessoas boas nem pessoas más, apenas sobreviventes, sejam eles humanos ou replicantes. Onde palavras como consciência ou humanidade ou emoções são questionadas a cada minuto de filme e já não sabemos muito bem quem é feito de carne e osso e quem é feito de fios e parafusos. Onde ficamos hipnotizados pelos sons e pelas imagens, tantas e tantas vezes vistas, mas que na grande tela adquirem um impacto que nos deixa sem respiração. Afinal de contas, será mesmo este o verdadeiro vislumbre do que o nosso futuro poderá vir a ser? Quem sabe. Uma coisa será certa, no nosso presente já há lugares tão assustadores como os que Blade Runner nos obriga a ver...

2 comentários:

Stephen King disse...

Grande Grande Grande filme...

E finalmente pude vê-lo em ecrã gigante, entenda-se, maior que a minha velhinha Trinitron lá de casa. :)

Abraço

Nuno Guronsan disse...

E nada ultrapassa a emoção de ver na grande tela um filme que realmente admiramos e que não nos fartamos de ver...

Abraço, meu caro.