quinta-feira, novembro 15, 2007

Screwdriver Darts

Paul Auster escreve livros.
Paul Auster realiza filmes.

Quando se lê um livro de Auster, percebe-se que ele também faz filmes. Quando se vê um filme de Auster, percebe-se imediatamente que ele também escreve livros.

Quem gosta de ler os seus livros, também vai gostar de ver "A Vida Interior de Martin Frost", pois vai ser confrontado exactamente com o mesmo universo Austeriano que percorre as páginas dos seus livros. Pequenos momentos do quotidiano na vida de pessoas perfeitamente normais que, por um instante ou por uma eternidade, são confrontados com factos fora do comum. E acabamos no lugar no protagonista, tentando descobrir o sentido por detrás de todos os eventos que lhe/nos acontecem. Tal como Martin Frost, também queremos saber quem é Claire, de onde ela veio e como é que conseguiu deixá-lo/nos completamente apaixonados por ela.

Quase que se podia dizer que entrámos na Auster Zone, onde nada é realmente assustador, quanto muito intrigante e de certeza absoluta inesquecível.

8 comentários:

PenaBranca disse...

ficaste apaixonado pela personagem virtual Claire ou há mais realidade no ar que nao queres partilhar?
(vamos já fazer outro filme!)

Nuno Guronsan disse...

Por acaso fiquei apaixonado sim, mas por outra personagem do filme. Por isso, antes de fazeres um novo filme, tens de ir ver este! :)

PenaBranca disse...

vamos embora. o que a gente quer é emoção na vida. posso já ir comprar os lenços (para prevenir lágrimas de choro e riso) para assistir à coisa bollywoddiana?
:-)
rijo abraço (algures no nosso rectângulo a caminho das Beiras, graças à mobilidade total dada pelas novas tecnologias)

Nuno Guronsan disse...

Estou a ver que tenho de procurar mais videos no YouTube para satisfazer essa fome de bollywood...

Abraço.

Vertigo disse...

Vou ver!

:)

RC disse...

Tb gosto.

Polly Jean disse...

quem me dera ter um intervalo maternal para poder ir ver...deve estar para breve..

Luís Galego disse...

registado, embora o filme tenha opiniões muito diferenciadas, o que não deixa de ser um bom pretexto para o ir ver.