domingo, setembro 28, 2008

O ataque

Hoje é domingo, mas na passada sexta-feira, por volta das sete e treze da manhã, deu-se o culminar da grande conspiração da estantaria sobre mim. Pódios, prateleiras, pleias, picôs, bastiadores e barras de esforço viram todos uma aberta para finalmente conseguirem o seu ataque final sobre mim. E foi assim, meio na escuridão, que uma prateleira decidiu ir contra o meu escalpe (pouco) cabeludo, fazendo uma ferida jeitosa. Não senti o sangue senão alguns minutos depois e aí já era tarde para impedir o mesmo de jorrar. Aguentei-me estoicamente até tudo estar terminado. Depois fui para casa, limpei e desinfectei a ferida, deitei-me e comecei a pensar se não estaria na altura de não me aproximar mais do covil da malvada estantaria.

E sim, Célia, este texto não é ficção.

4 comentários:

Célia disse...

Isto é como a história do Pedro e do Lobo.. agora nem sei se acredito :-) mas espero que estejas melhor! Quando os objectos começam a virar-se contra nós é o fim do mundo.. e para isso basta ver as bolsas europeias hoje!
Bjs, C.

Micas disse...

Bolas...:D))
As melhoras :)

Nuno Guronsan disse...

Pois desta vez, o lobo veio sob a forma de uma prateleira e não de um pretenso ladrão de carros com prentensões a conversador distinto.

A ferida já cicatrizou e eu já estou pronto para outra, salvo seja.

Beijos.

A disse...
Este comentário foi removido pelo autor.